Técnicas de PNL para conquistar ainda mais seus alunos!

b1

 

Você sabia, que há uma maneira de despertar o interesse de seus alunos em sala de aula de modo muito eficaz, e o melhor quase imperceptível? Pois é, isso você consegue usando algumas técnicas básicas de PNL – Programação Neuro Linguística.

Leia esse post completo e nos comentários você me conta se valeu a pena, ok?

Estamos vivendo na era da tecnologia, no qual as pessoas, de modo geral, tendem a ter mais dificuldade em prestar atenção e se manter focado em uma ideia ou assunto por um determinado tempo, afinal de contas, todos nós estamos sempre muito atarefados, sem tempo e precisando resolver mil questões do dia a dia.

Pensando nisso, elaboramos 6 dicas para você, professor, usar em sala de aula e obter mais a atenção dos alunos, otimizar o tempo de aula e potencializar o processo de aprendizagem dos mesmos.

Dica 1° – Usar a técnica de espelhamento.

Essa é uma técnica muito interessante, pois faz com que o aluno se identifique e encontre similaridade com o professor e pode ser usada, por exemplo, de modo comportamental repetindo alguns movimentos corporais do(s) aluno(s) ou de modo verbal que seria usar algumas expressões que os alunos costumam usar.

Dica 2° – Usar técnica de escuta repetitiva.

Essa técnica acontece quando, em uma conversa, o professor repete algumas palavras do aluno, de modo reflexivo, ou seja, de modo diferente de como foi dito por ele. Isso gera um sentimento de conforto e compreensão.

Por exemplo:
Aluno – ” O sol é uma estrela bem grande, mas não a maior do universo!”

Professor com um tom acolhedor, repete – “não a maior…”

Dica 3° – Usar a palavra “né” e acenar positivamente com a cabeça para obter uma reação natural do(s) aluno(s) de confirmação.

Em grupo, essa técnica deve ser usada com cautela e de maneira adequada para ter um bom resultado, por exemplo, quando estiver explicando um conteúdo você pode olhar para todos, sem problema, mas antes da conclusão, que é o momento ideal para usar o “né”, você olha pra um aluno especifico, que pode ser o “líder” da sala ou o aluno que tem mais influência sob os demais.

Dica 4° – Usar a palavra “gostaria” da melhor maneira.

Para o nosso inconsciente a palavra “gostaria” tem conotação negativa, mas isso não significa que você deve evitar, e sim usar de maneira mais adequada. Essa palavra pode ser usada em perguntas juntamente com a palavra “não”, por exemplo:

“E quem não gostaria de apresentar trabalho sobre esse tema?”

“E quem não gostaria de participar da atividade?”

Para o aluno, isso soa como se fosse uma escolha ruim, não apresentar o trabalho sobre tal tema ou não participar da atividade.

Dica 5° – Substitua a palavra “gostaria” por “prefere”.

Na dica anterior mostramos como podemos usar a palavra “gostaria” de forma negativa, a seu favor. Nesta dica você irá substituir essa palavra, para obter uma conotação positiva. Por exemplo:

“Quem prefere se apresentar nesta aula?”

Os alunos associam que devem se apresentar “nesta aula ou na próxima”, logo devem escolher. Isso o fará se manifestar e ser mais participativo!

Dica 6° – Substitua a palavra “preciso” por “quero”

Nas entre linhas associamos o “precisar” a uma relação de dependência e muitas vezes isso nos gera um sentimento negativo. Já a palavra “quero” é associada a autonomia e nos provoca uma sensação boa, positiva.

Portanto professor, em sala de aula utilize a palavra “quero” e quando se referir aos alunos em relação a você ou sua disciplina utilize “precisar”. Por exemplo:

“Quero que pesquisem, qual a importância da energia solar”.

“Vocês precisam saber, quando ocorreu a Guerra Fria!”.

Estas são apenas algumas dicas simples que podem ajudar nas relações interpessoais com seus alunos, mas sabemos que o aprimoramento pessoal e profissional é essencial, afinal de contas, conhecimento não ocupa espaço e é sempre bem vindo!

Para inovar suas aulas e torna-las cada vez mais incríveis, conheça o Programa Inspira Digital, uma ferramenta para auxiliar os professores nesta maravilhosa jornada!

Até o próximo post! 🙂

 

Por Lia Vicente

Conheça um pouco sobre a EvoBooks